Quando projetos que trabalham pela conservação de espécies ameaçadas recebem o apoio e o suporte financeiro para a execução de suas ações e atividades, a mudança e a transformação socioambiental de uma realidade tornam-se possíveis. Desta forma, está sendo construído um cativeiro para readaptação de peixe-boi marinho no estuário da Barra do Rio Mamanguape, litoral norte da Paraíba. O espaço, que está sendo estruturado em ambiente natural, será direcionado a peixes-bois marinhos em fase de readaptação e também aos que precisem de cuidados clínicos especiais. A ideia é que, assim que estiverem aptos, os animais sejam reintroduzidos no estuário da região.

 Parte do recurso dessa construção veio do Programa de Conservação do Peixe-Boi Marinho – realizado pela Fundação Mamíferos Aquáticos (FMA) com a correalização da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. A outra parte do recurso veio de doações de cidadãos brasileiros que participaram da campanha de crowdfunding “Viva o Peixe-Boi Marinho”, realizada pela FMA em 2017.  E é pelas mãos das equipes da Fundação Mamíferos Aquáticos, da APA da Barra do Rio Mamanguape, da ARIE Manguezais da Foz do Rio Mamanguape, CEPENE/ ICMBIO e voluntários da comunidade local ARIE da Barra do Rio Mamanguape, CEPENE e voluntários da comunidade local, que a construção está sendo realizada.

A previsão é que o espaço fique pronto entre os meses de fevereiro e março de 2019. O peixe-boi marinho é um mamífero aquático que está “em perigo” de extinção no Brasil.  Este cativeiro será de extrema importância para a conservação da espécie no país. “Dentro da estratégia nacional de conservação do peixe-boi marinho, estão previstas as reintroduções dos espécimes que encalharam e posteriormente foram reabilitados. Atualmente, no Nordeste, só existe uma estrutura semelhante a esta que estamos construindo e está localizada em Alagoas. Este cativeiro da Barra do Rio Mamanguape vai então agregar e otimizar os esforços em prol da soltura dos animais no nordeste brasileiro. Uma vez construído o cativeiro, daremos maior celeridade a este processo de reintegração de peixes-bois aos ambientes naturais”, ressalta o pesquisador e médico veterinário Dr. João Carlos Gomes Borges, responsável técnico pela execução do Programa de Conservação do Peixe-Boi Marinho.